Relaxamento com massagem – quais seus benefícios?

O toque das mãos na fisioterapia é a melhor ferramenta que o terapeuta possui. O outro permitir ser tocado demonstra confiança no profissional.

Pelo toque de mãos treinadas é possível obter muitos benefícios para a saúde física e emocional. Por isso a massagem terapêutica vem sendo integrada ao atendimento geral da saúde em consultórios, hospitais, academias e centros esportivos mesmo em situações delicadas como doença ou lesões.

Conhecendo as indicações e contra indicações de cada técnica em cada situação é possível aplicar a massagem com segurança. Auxiliar no tratamento ou atuar como prevenção.

A escuta atenciosa do terapeuta no início da sessão permite que se identifique as causas que levaram o paciente até a massagem. E quais as técnicas e recursos o terapeuta irá usar durante a sessão.

Um ambiente acolhedor e confortável contribui para um melhor relaxamento. Iluminação, temperatura, som e aroma adequados são boas ferramentas que o terapeuta possui.

Efeitos Fisiológicos da Massagem

Vários efeitos ocorrem simultaneamente durante a massagem.

O efeito mecânico de alongar, tracionar, apalpar os tecidos moles. (pele, fáscias e músculos) ajuda a liberar tensões comuns a esses tecidos.

A melhora da circulação sanguínea e linfática alivia cansaço e inchaços.

A pele possui sensores do sistema nervoso periférico que se ligam ao sistema nervoso central. E atuam no sistema nervoso autônomo, responsável pela sensação de bem estar.

Alguns nervos inervam pele e órgãos internos. Por isso mesmo a massagem superficial pode apresentar mecanismos reflexos em outros órgãos.  Graça a essas conexões nervosas é possível atuar em uma área sem tocá-la diretamente. Esse é um recurso utilizado em caso de lesões de pele ou dor muito intensa. Podemos atuar em outra região e mesmo assim obter os benefícios desejados.

A importância do relaxamento

O relaxamento obtido com a massagem tem um efeito indireto sobre o sistema nervoso autônomo (SNA), principalmente sobre a divisão parassimpática. Um centro primário nesse circuito complexo é o hipotálamo, que controla a maior parte do sistema nervoso autônomo e o integra ao sistema endócrino. O hipotálamo faz parte do sistema límbico e responde aos impulsos recebidos de neurônios sensoriais viscerais e somáticos. Ele também responde a emoções internas como medo, ansiedade, expectativa e relaxamento.

O sistema límbico é responsável pelas  emoções e comportamentos. É a área mais primitiva do cérebro, comanda certos comportamentos necessários à sobrevivência de todos os mamíferos. O Sistema Límbico compreende todas as estruturas cerebrais que estejam relacionadas, principalmente, com comportamentos emocionais e sexuais, aprendizagem, memória, motivação, mas também com algumas respostas homeostáticas (equilíbrio do corpo). Sua principal função é integrar informações sensitivo-sensoriais com o estado psíquico interno, onde é atribuído um conteúdo afetivo a esses estímulos, a informação é registrada e relacionada com as memórias pré-existentes, o que leva à produção de uma resposta emocional adequada, consciente e/ou vegetativa.

O hipotálamo é fundamental na homeostasia do corpo, ou seja, na regulação do ambiente interno, de modo a manter uma condição estável frente a múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico, controlados por mecanismos de regulação inter-relacionados.

Por isso a importância de ter como rotina momentos de relaxamento e bem – estar. Sabemos que é durante o relaxamento profundo que o corpo consegue se auto-regular  para manter-se saudável ou combater alguma alteração e voltar ao seu estado natural de equilíbrio, harmonia e saúde.

flat_medicina_indiana

Texto escrito por Giselle Mello, fisioterapeuta

que alia os conhecimentos da yoga e aromaterapia em suas sessões de massagem

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *