O mantra Om no Yoga

“No princípio era o verbo…”

Assim como no primeiro capítulo do Evangelho de João  na Bíblia cristã onde cita-se a criação do mundo, o mantra Om também retrata a origem de tudo.

«No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus.
Ele estava no princípio com Deus. Tudo foi feito por ele; e nada do que tem sido feito, foi feito sem ele.
Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens.»
 (João 1:1-4)

Algo que gosto de encontrar é a semelhança entre culturas, como nesse caso. Parece que no fundo tudo está entrelaçado e nos leva ao mesmo lugar mas por caminhos diferentes. Afinal, em um mundo com tanta diversidade não haveria de ter somente um percurso, uma verdade.

Distinguir religiosidade de espiritualidade é outra coisa que também me agrada e me dá liberdade para passear, conhecer e experimentar diferentes tradições. Para mim mais importante do que uma religião específica com seus dogmas é a sensação de plenitude que algumas situações me despertam, isso é o que chamo de espiritualidade.

E obtenho essa plenitude, onde tudo parece estar em perfeita harmonia, em diferentes locais e práticas como em uma aula de yoga, uma meditação, na contemplação da natureza, em um templo ou igreja, em um abraço afetuoso e verdadeiro.

Mas vamos à pauta da matéria, o mantra Om.

Mantra OM

O mantra mais conhecido de todos é o Om. Geralmente ele abre e fecha os outros mantras e as práticas de yoga.

Em textos sagrados do yoga como em Mandúkya Upanishad encontramos  “o Om é o mundo inteiro. O passado, o presente, o futuro: tudo é o mantra Om”. A vibração do som teria dado origem ao Universo e a tudo o que existe, fazendo referência também ao criador, no yoga chamado de Brahman.

O Om é formado pelo ditongo das vogais a e u, e a nasalização, representada pela letra m. Por isso é que, às vezes, aparece grafado Aum. Essas três letras correspondem, segundo a Maitrí Upanishad, aos três estados de consciência: vigília, sono e sonho.

Quando o mantra é simbolizado por uma gravura chama-se yantra. Pode ser utilizado como ferramenta, objeto de concentração durante a meditação, devendo sempre lembrar do seu significado.

Ao recitar um mantra deve-se entrar em contato com o seu espaço interno, vazio, esse é ponto de origem do mantra. Lembrar-se do seu significado e sentir a vibração que o som produz internamente.

Há diferentes formas de vocalização do mantra. Todas estão certas e trazem benefícios se realizados conscientemente.

O mantra é recitado na expiração, inicia-se com a boca aberta e vai fechando até ficar entreaberta e o som ficar nasalizado e termina com os lábios fechados.

Após a recitação do mantra mantem-se um período com a respiração em silêncio, como se o mantra continuasse mentalmente. Assim não se interrompe o mantra repentinamente e como se pudesse continuar sentindo a vibração do mantra no silêncio.

Há encontros de praticantes somente para cantar os mantras, chama-se Bhakti Yoga (yoga devocional). Cânticos como forma de oração e adoração. Terapeuticamente já está comprovado o poder do som atuar no cérebro e sistema nervoso, ajudando a relaxar, alegrar, estimular dependendo do som aplicado. A musicoterapia tem sido usada em centros de tratamento e hospitais pelo mundo inteiro. Afinal, quem canta seus males espanta!

Na sua próxima aula de yoga lembre-se dos significados do mantra. Quando você realiza com toda a sua atenção e intenção você potencializa os efeitos da prática.

Boas práticas!!

omm

O yantra Om

Texto escrito por Giselle Mello, instrutora de yoga e fisioterapeuta

2 Comentários

  1. Magna Guerra Fernandes disse:

    Giselle,

    Parabens pelo portal!!!

    • Giselle Mello disse:

      Obrigada, Magna! A intenção é que o portal seja um lugar confiável para busca de informações e profissionais da saúde! Seja Bem Vinda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *