Mães e seus tipos, qual é o seu?!

Acredito que para muitas mulheres a maternidade é a principal mudança e também um grande caminho para o amadurecimento. E isso nos leva ao tema de hoje: “Mães e seus tipos, qual é o seu?” Você é a mãe que sempre desejou se tornar?

Você é a melhor mãe do mundo e não sente culpa, nem se cobra por nada? Acredito que a maioria sinta algum sentimento “ruim”, seja, medo, apego, insegurança, cobrança, raiva, sono e por aí vai.

E como devemos agir diante de todos esses sentimentos? Queremos ser a melhor mãe do mundo, estar certa e acertar sempre, como uma perfeição! Como se fosse fácil (risos).

A maternidade vem acompanhada de uma grande bagagem emocional, que nos faz ser um determinado tipo de mãe. E muitas vezes isso é de total desconhecimento nosso. Vamos trazer isso para nossa consciência e sermos melhores?

 

Vamos olhar agora para como foram nossos pais:

Tipo 1 – Você acredita que recebeu tudo que precisava dos seus pais. Sabe que o amor existia mesmo sem ser demonstrado.

Tipo 2 – Você foi muito amada, recebeu tudo, foi muito protegida e hoje não gosta de ser contrariada.

Tipo 3 – Você tinha tudo de material, mas seus pais eram ausentes.

Tipo 4 – Você teve uma vida financeira abundante e recebeu muito amor. Se sente completa na vida pessoal e profissional.

Tipo 5 – Não havia muito amor na sua família, mas você sempre respeitou seus pais.

 

Agora, observe qual mãe você se tornou.

Muito provavelmente você repita algum padrão familiar. Agindo da mesma maneira que seus pais por acreditar que eles fizeram o melhor por você e assim faz igual com seu filho.

Talvez acredite que seus pais poderiam ter feito melhor, não concorda com o jeito deles e faz completamente diferente.

Em qualquer dos casos, não agimos de acordo com quem somos. Nós só reagimos. Estamos no automático, seja repetindo padrões familiares ou reagindo a uma dor.

Família, trabalho, sociedade também determinam algumas de nossas atitudes como mãe. Formaram-se crenças, definimos experiências (certo e errado, bom e mau) valores e princípios que seguimos em nossa vida.

Cada Ser interpreta as questões de acordo com suas experiências e tem seus próprios recursos para lidar com cada situação. A importância de olhar para cada questão e estar presente em seu dia a dia, sem passado, sem expectativas. É livrar-se de tudo que impede de ser o que veio para ser. Desconstrua-se e Construa a mãe que sua criaturinha (seu filho – é assim que chamo o meu) precisa que seja. E isso tem a ver com seu propósito da sua alma, foi por isso que seu filho veio como seu filho. Elimine os tipos de mães e seja única. Resgate sua criança interior, brinque mais, não só com seu filho, mas com tudo na vida. Observe o que te faz feliz, respire e sinta, quem você quer ser. Aceite quem você é! Você será mais feliz e seu filho também!

Bem vinda à Consciência!

Na luz e no amor!

Texto escrito por Danielle A. Bento, Terapeuta Holística.

www.minhanaturalvibe.com.br

1 Comentário

  1. Veni disse:

    Texto esclarecedor
    Muita informação bacana
    Parabéns
    Ajudou muito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *