Fases da Vida: a caminho dos 35 anos

De acordo com a Antroposofia as fases da vida são divididas por setênios – períodos de 7 anos. E por volta dos 35 anos algumas mudanças pessoais costumam acontecer.

 

Podemos compreender a vida em três grandes ciclos: dos 0 aos 21 quando ocorre a construção corporal, dos 21 aos 42 a maturidade psicológica e dos 42 aos 63 anos a espiritual.

Neste texto, vou me deter a fase dos 28 aos 35 anos, conhecida como a alma da razão, quando acontece a abertura para o mundo, descobertas e acúmulo de conhecimento, desejo de estudar outros assuntos ou completar os estudos, fazemos planos, questionamos o mundo e podemos nos tornar o “dono da verdade”.

Somos sensíveis ao que acontece ao redor, em especial às falhas do outro, raramente as próprias. Exímios descobridores de falhas alheias o que nos tornar julgadores.

Análises do mundo externo precisam ser interiorizadas para avaliar as próprias fraquezas e exercitar a compaixão em relação ao outro.

A medida que avançamos na fase dos 30 anos, chegamos aos 35, marco importante em nossa biografia, outras qualidades devem ser desenvolvidas, o “dono da verdade”  pode voltar-se para percepções da própria existência e desvendar um novo mundo.

Até aqui alcançamos posições, títulos, desempenhamos distintos papeis, agora chega o momento, como diz Alberto Caieiro, “E raspar a tinta com que me pintaram os sentidos, desencaixotar as minhas emoções verdadeiras, desembrulhar-me e ser eu, não Alberto Caeiro”.

Interiorização 

Por volta dos 35 anos experimentamos a autoria do nosso destino, o que acontece é o Eu quem o faz acontecer.  Segundo Steiner, “a partir dos 35, o ser humano se retrai cada vez mais para o íntimo”.

Podemos sentir um isolamento, solidão mesmo numa multidão. Se na fase anterior ocupamos altas posições, muita responsabilidade, a exaustão pode ser vivida com mais intensidade. Vitalidade em declínio, esvaziamento de ambição. O fundo do poço pode ser encontrado.

O futuro parece longe e inatingível, mas acredite, a vida não está chegando ao fim, é só uma sensação. Aquele vigor interior se esmaece, após atravessar essa ponte, a vida poderá emergir com novo entusiasmo, mas é preciso atravessar, se necessário, busque ajuda.

 

Alma da Consciência – dos 35 aos 42 anos

No início dos 20 anos, há uma imagem que pode ajudar a compreender o que aconteceu até chegar aqui, aos 35 anos. Dos 21 aos 28 anos, desenvolvemos a alma da sensação, a personalidade pode ter uma natureza animal.

Dos 28 aos 35 anos, fase da alma da razão, o cavaleiro numa armadura de ferro, com espada e lança monta em seu cavalo. Na próxima fase, dos 35 aos 42 anos, alma da consciência, homem e animal são separados e por volta dos 40 precisa encontra-lo novamente e assumir as rédeas.

Oportunidades & Escolhas

Agora quero lhe propor algumas reflexões: O que você fez a partir das oportunidades que  surgiram em sua vida?  Como você fez uso da força interior e da coragem para alcançar seus objetivos pessoais e profissionais?

Há um risco de não encontrar a força interior necessária para a transição, agora é com você, se será ou não capaz de cumprir as tarefas para não “morrer interiormente”.

Nos anos 30 a energia, a força volta para dentro, é preciso iniciativa e determinação, cultivo do ritmo para emergir com criatividade nos próximos anos. O renascimento é possível. A transformação é necessária, como bem disse Raul Seixas: “eu prefiro ser essa metamorfose ambulante, do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo”.

 

 

 

Texto escrito por Delcimar Cunha

Aconselhadora Biográfica com doutorado em Psicologia da Educação

O currículo e contato da profissional você encontra aqui!

Outros textos sobre aconselhamento biográfico no nosso Blog. Confira aqui!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *