Estresse, o que é isso afinal?

Estresse, o que é isso afinal?

Ouvimos falar em estresse diariamente, “estou estressada”, “meu trabalho me estressa”, “meu chefe me estressa”, “meu (minha) esposo (a) me estressa”, mas afinal, O QUE É ESTRESSE?

O ESTRESSE TAMBÉM É NECESSÁRIO

Estresse é uma resposta complexa do organismo, que envolve reações físicas, psicológicas, mentais e hormonais frente a qualquer evento que seja interpretado pela pessoa como desafiante. É uma estimulação pontual, agressiva ou não, que produz um conjunto de reações no organismo, implicando respostas neuronais, neuroendócrinas, metabólicas e comportamentais. Toda sensação que coloca o corpo em estado de alerta, um pensamento que seja, torna o indivíduo mais vigilante, provocando aceleração da respiração e da circulação, além de aumentar o metabolismo, a secreção de hormônios e de neurotransmissores*, porém o estresse permanente, através destas reações, provoca uma redução da capacidade de enfrentamento aos desafios do cotidiano, tornando-se um estresse excessivo.

O ESTRESSE RUIM

O estresse excessivo, diante das exigências e tensões da vida, se traduz em nosso corpo em bloqueios, desiquilíbrios, dores, insônia e doenças. Um estresse mal administrado contribui, portanto, para degradar a qualidade de vida de um indivíduo.

PRINCIPAIS CAUSAS DE ESTRESSE

  • Causas internas: ligadas a características de personalidade, perfeccionismo, pressa (querer fazer tudo ao mesmo tempo) e outros.
  • Causas externas: mudança em geral, positiva e negativa, mudança profissional (troca de emprego, promoção, demissão), aposentadoria, doença ou morte de pessoas queridas, trânsito, separação, divórcio, e outros.

A causa estressora é subjetiva, ou seja, cada um terá uma resposta diferente ao agressor, uma forma diferente de como lidar com o desafio.

FIQUE ATENTO A ESSES SINAIS

Alguns sinais que podem indicar estresse:

  • Dificuldade na relação com os outros (relacionamento interpessoal);
  • Alteração do humor;
  • Tensão física e psicológica;
  • Queda da capacidade intelectual;
  • Alteração do sono (dormir demais ou pouco);
  • Tensão muscular;
  • Hipertensão (pressão alta);
  • Mudança no apetite (aumento ou diminuição);
  • Problemas de atenção, concentração e memória;

FASES DO ESTRESSE

O estresse acontece de três formas no nosso organismo:

  • Reação de Alarme
  • Fase de Resistência
  • Fase de esgotamento e surgimento de doenças

Fase de Alarme

Corresponde ao momento em que o indivíduo se conscientiza do perigo ou da ameaça. Nesse momento, o neurotransmissor utilizado para estimular os órgãos de defesa (aparelho cardiovascular, pulmões, fígado, músculos, sistema imunológico) é a NORADRENALINA, que se serve do sistema nervoso simpático. Já o hormônio gerado na corrente sanguínea pelas glândulas suprarrenais é a ADRENALINA (hormônio do estresse).

Desaparecendo a ameaça ou o agente estressor, todas as alterações desaparecem ou regridem e a reação de alarme é interrompida. Esta é a resposta do organismo ao ESTRESSE AGUDO.

Fase de Resistência

Acontece quando a fase de alarme não é interrompida, ou seja, o agente estressor persiste, e há ativação do eixo hipotálamo-hipófise, que ativa a secreção do CORTISOL pela região do córtex da glândula suprarrenal.

Efeitos do cortisol no organismo:

  • Aumento da reconstituição de reservas no fígado (transformação das proteínas para produção de glicose = açúcar);
  • Diminuição do consumo de açúcar nos órgãos;
  • Diminuição do sistema imunológico;
  • Estímulo do centro da fome no cérebro, gerando aumento do apetite;
  • Estímulo à mucosa do estômago a produção de ácido clorídrico;
  • Bloqueio da ação da insulina para consumo da glicose;
  • Predisposição para DEPRESSÃO.

Fase do Esgotamento e Surgimento de Doenças

Nesta etapa o estresse torna-se crônico, ou seja, a exposição é prolongada e/ou repetida ao agente estressor, as capacidades energéticas do organismo se esgotam, o percentual de glicose circulante cai e as células não são mais nutridas corretamente. Como a produção de CORTISOL permanece elevada, as ações do sistema imunológico ficam reduzidas, além de estimular a elevação do colesterol sanguíneo. Assim as possiblidades do organismo são ultrapassadas, o esgotamento se estabelece e as doenças surgem.

SINTOMAS DO ESTRESSE

Sintomas emocionais

  • Insatisfação, tristeza, apatia;
  • Ansiedade e falta de autoconfiança;
  • Irritabilidade, desconfiança, arrogância, agressividade, revolta, raiva;
  • Fadiga intelectual, dificuldade de concentração.

Sintomas comportamentais

  • Isolamento, distanciamento do trabalho e de responsabilidade;
  • Excesso de álcool, fumo, drogas ilícitas;
  • Separações conjungais;
  • Dificuldade para gerenciar a própria vida, cuidar de si, dos seus e de seus bens;

Sintomas físicos

  • Fadiga, insônia, dores generalizadas, distúrbios digestivos;
  • Esgotamento físico;
  • Doenças frequentes;
  • DEPRESSÃO.

DICAS IMPORTANTES PARA LIDAR COM O ESTRESSE

Algumas dicas para aumentar nossa resistência diante dos fatores estressores:

  • Durma bem, garantir descanso ao corpo é importante para reduzir o cansaço, a fadiga aumenta o estresse e reduz a capacidade de concentração;
  • Faça pequenas pausas de 10 minutos durante horas consecutivas de trabalho;
  • Beba bastante água, de 2 a 3 litros no dia, essa prática potencializa as funções do nosso organismo;
  • Evite o jejum prolongado, como de 3 em 3 horas, isso evita o mau humor gerado pela fome e auxilia num bom metabolismo;
  • Tenha uma alimentação saudável, se possível com acompanhamento de um nutricionista;
  • Pratique atividade física regular, de preferência com um profissional, não importa a modalidade, desde que seja regular, assim conseguirá liberar hormônios, as famosas ENDORFINAS, substâncias bioquímicas analgésicas, que ajudam a regular as dores naturalmente e regulam nossas emoções, oferecendo sensação de prazer e bem estar;
  •  Seja diariamente positivo diante de situações das situações de desafio, pois a forma como você decide encarar os problemas podem determinar a importância que eles terão na sua vida;
  •  Organize o seu tempo, listando suas atividades do dia com grau de necessidade e poder aproveitar para viver além do trabalho;
  • Exercite a capacidade de perdoar, sempre que possível, abandonar o rancor te dará espaço para pensamentos positivos e felizes;
  • Valorize sempre a gratidão;
  • Faça yoga, meditação, relaxamento, algo que acalme a mente;

Precisamos estar atentos para os impactos gerados em nosso corpo pelo estresse, se não podemos transformar o meio que nos cerca, mudemos a nós mesmo.

A resposta a essas “agressões emocionais” depende muito mais da nossa maneira de interpretá-las e de nos adaptar a elas do que das próprias agressões em si.

Tudo aquilo que não controlamos, não podemos entender e que consideramos uma ameaça é inquietante em si. No entanto, é a especificidade de cada emoção, que distingui o que é bom do que é ruim.

O coração tem razões que a própria razão desconhece…”

Por isso, cuide das suas EMOÇÕES.

stresss

Texto escrito por Rosemeire Franchin, enfermeira e acupunturista. 

 

 

 

Bibliografia:

  1. CHROUSOS, George, GOLD, Philip. Os conceitos e distúrbios do sistema do estresse. USA – Behesda, 1992.
  2. Ururahy, Gilberto O cérebro emocional: as emoções e o estresse do cotidiano, Rio de Janeiro: Rocco, 2005.

*Neurotransmissores são como combustíveis para o cérebro realizar determinadas funções. Num carro é preciso ter água, diferentes tipos de óleo, gasolina, lubrificantes. No cérebro é a mesma coisa: existem vários neurotransmissores e também outras substâncias que agem também como neurotransmissores, por exemplo, os aminoácidos, peptídeos e até mesmo gases como o óxido nítrico e o gás carbônico.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *