Efeitos do comportamento alimentar na saúde

Efeitos do comportamento alimentar na saúde

O comportamento alimentar está relacionado ao que uma pessoa conhece e acredita sobre alimentação e nutrição, e aquilo que sente sobre a comida. O comportamento alimentar pode ser influenciado por vários estímulos, seja interno ou externo, consciente ou inconsciente, atitudes, crenças, emoções, raciocínio, cultura, valores, ética, religião, relacionamento, motivação, persuasão, coerção e genético.

Nos dias de hoje o que mais influencia o comportamento alimentar das pessoas é a mídia, disponibilizando novas dietas e fórmulas que prometem ser milagrosas ao se tratar de perda de peso.

No entanto, vários estudos mostram que dietas restritivas e inadequadas nutricionalmente não funcionam a longo prazo e só estressam o corpo. Além disso, podem desregular as funções de fome, apetite e saciedade, desequilibrar os mecanismos neurais, hormonais e químicos. Associados a isso, ainda estão envolvidos os fatores sociais, familiares e psicológicos.

Atualmente temos muitas informações sobre alimentação, nutrição e saúde. Porém, as estatísticas mostram que cada vez mais aumentam as doenças relacionadas à má alimentação, nutrição e estilo de vida inadequado.

As pessoas estão perdendo a sintonia entre comida, mente e corpo. Há uma perda de conexão com o sistema interno, que envolve os pensamentos, os sentimentos e o fisiológico.

Precisamos dar atenção ao que o corpo pede e à maneira como ele reage ao que comemos. Assim, podemos escolher conscientemente o que o nosso corpo precisa para estar saudável.

As células do nosso corpo estão em constante renovação, e a fonte dessa renovação é justamente a alimentação. A matéria prima para formar o corpo vem dos alimentos que ingerimos. O ato de comer fornece nutrientes necessários para o funcionamento adequado de todo o sistema orgânico. Porém, o alimento tem uma representação mais ampla em nossas vidas, não apenas fisiológica. Está sempre permeado por um contexto social, afetivo, cultural e econômico. Este contexto está sempre presente, desde o momento em que passamos a existir, das celebrações mais importantes às situações mais rotineiras.

Precisamos resgatar nossos sinais internos de fome e saciedade. Aprender a comer melhor, com prazer, sem restrição, satisfazendo as nossas necessidades. Respeitando a nossa individualidade.

Devemos comer com a intenção de cuidar de si.

fome-emocional-slideShutterstock_Images

Texto escrito pela nutricionista
Tania de Oliveira CRN 25621.
Contato e currículo completo da profissional você encontra aqui http://circulosaudavel.com.br/convencionais/

1 Comentário

  1. Kayo Marcelo disse:

    Ótimo artigo. As adolescentes são as maiores vítimas da adoção das dietas da moda. Os regimes com restrições exageradas provocam desequilíbrios emocionais e físicos. Os riscos são grandes para as pessoas que perseguem um padrão ideal de beleza, adotando hábitos alimentares por conta própria.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *