Essa semana aconteceu o Iº Congresso Internacional de Práticas Integrativas e Complementares e Saúde Pública promovido pelo Ministério da Saúde do Brasil.

Durante o evento foi anunciado que mais 10 Práticas Integrativas e Complementares (PICs) foram incluídas a Atenção Básica do Sistema Único de Saúde (SUS). Totalizando agora 29 práticas que podem ser oferecidas nos municípios do país.

O anúncio despertou interesse, indignação e alegria em muitas pessoas e abriu o espaço para o diálogo e esclarecimento.

Vamos então conhecer um pouco mais sobre essa proposta que foi indicada pela Organização Mundial de Saúde.

 

 

UMA RECOMENDAÇÃO DA ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE

O interesse crescente da população mundial por práticas integrativas e complementares para melhorar a qualidade de vida fez com que a Organização Mundial de Saúde (OMS) criasse o Programa de Medicina Tradicional que estimula o uso de terapias não convencionais nos sistemas de saúde, bem como o desenvolvimento de pesquisas que comprovem a segurança e eficácia desses métodos.

No Brasil observa-se um esforço por parte do Ministério da Saúde em incentivar a implantação de sistemas e recursos terapêuticos não convencionais ao sistema oficial de saúde e normatizar as experiências já existentes no Sistema Único de Saúde (SUS) desde a publicação da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) em 2006.

Em 2014, a OMS publicou a Estratégia da OMS sobre medicina tradicional 2014-2023 para ajudar as autoridades sanitárias a encontrar soluções que propiciam uma visão mais ampla a respeito da melhora da saúde e da autonomia dos pacientes, prestar apoio aos estados-membros para que aproveitem a possível contribuição da medicina tradicional e complementar (MTC) à saúde, ao bem-estar e à atenção centrada nas pessoas, e promover a utilização segura e eficaz da MTC mediante a regulamentação de produtos, práticas e profissionais.

Atualmente a PNPIC contempla diretrizes e responsabilidades institucionais para oferta de serviços em Homeopatia, Medicina Tradicional Chinesa/Acupuntura, Ayurveda, Medicina Antroposófica, Naturopatia, Plantas Medicinais e Fitoterapia, Termalismo Social/Crenoterapia, Reiki, Yoga, Arteterapia, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Shantala e Terapia Comunitária Integrativa. 

Essa semana foram incluídas as práticas: Apiterapia, Aromaterapia, Bioenergética,  Constelação familiar, Cromoterapia, Geoterapia, Hipnoterapia, Imposição de mãos, Ozonioterapia e Terapia de Florais.

 

IMPLANTAÇÃO NOS MUNICÍPIOS

Mesmo com esses estímulos a PNPIC ainda não é conhecida em muitos municípios do país. Muitas cidades do Brasil oferecem práticas integrativas e complementares sem ter conhecimento desse incentivo do Ministério da Saúde, o que poderia ampliar e melhorar a oferta desses serviços.

A Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC), traz diretrizes gerais para a incorporação das práticas nos serviços e compete ao gestor municipal elaborar normas para inserção da PNPIC na rede municipal de saúde. Os recursos para as PICS integram o Piso da Atenção Básica (PAB) de cada município, podendo o gestor local aplicá-los de acordo com sua prioridade. Alguns tratamentos específicos, como acupuntura recebem outro tipo de financiamento, que compõe o bloco de média e alta complexidade. Estados e municípios também podem instituir sua própria política, considerando suas necessidades locais, sua rede e processos de trabalho.

A Atenção Básica no SUS em saúde é conhecida como a “porta de entrada” dos usuários nos sistemas de saúde. Seu objetivo é orientar sobre a prevenção de doenças, solucionar os possíveis casos de agravos e direcionar os mais graves para níveis de atendimento superiores em complexidade. A atenção básica funciona, portanto, como um filtro capaz de organizar o fluxo dos serviços nas redes de saúde, dos mais simples aos mais complexos.

No Brasil, há diversos programas governamentais relacionados à atenção básica, sendo um deles as Práticas Integrativas e Complementares além da Estratégia de Saúde da Família (ESF), Equipes de Consultórios de Rua, o Programa Melhor em Casa, o Programa Brasil Sorridente e o Programa de Agentes Comunitários de Saúde (PACS), que busca meios para melhorar as condições de saúde de suas comunidades etc.

 

E A COMPROVAÇÃO CIENTÍFICA?

Podemos citar renomadas instituições no Brasil e no mundo que realizam pesquisas nessa área.

Em 2017 realizamos o Iº Simpósio de Medicina Integrativa do Vale do Paraíba onde alguns representantes dessas instituições estavam presentes e falaram sobre as experiências dentro do Hospital Israelita Albert Einstein, Universidade de São Paulo, Instituto do Cérebro e Hospital Emílio Ribas.

Encontramos essas práticas também em um dos maiores centros de tratamento oncológico do mundo, o MD Anderson Cancer Center.

O governo dos Estados Unidos financia estudos nesse setor através do NIH National Center for Complementary and Integrative Health.

Práticas como yoga, meditação, tai chi chuan, massagens, dietas, acupuntura, hipnoterapia e relaxamento profundo são alguns dos temas citados no site do governo americano, que tem como um de seus objetivos divulgar informações de saúde complementar baseadas em evidências.

O maior banco de artigos da área da saúde – o PUBMED – possui mais de 26 mil artigos relacionados a Integrative Medicine e mais de 4 mil publicações sobre Yoga, por exemplo.

 

CAPACITAÇÃO DO PROFISSIONAL

Como em todas as áreas, o profissional capacitado e experiente pode contribuir com a saúde e qualidade de vida dos seus pacientes através do ensinamento e prática dessas técnicas.

Lembrando que um dos pilares da Saúde Integrativa é promover a conscientização, autonomia e responsabilidade pelo autocuidado em seus pacientes. Podemos atuar positivamente no nosso processo de bem-estar promovendo saúde e prevenindo enfermidades.

Dentro do SUS a capacitação dos profissionais deve ocorrer por meio de um planejamento do gestor da saúde de cada município.

 

 

A PROPOSTA É INTEGRAR

As PICs não excluem o tratamento médico convencional. Por isso não utilizamos mais o termo ‘alternativo’ e sim ‘integrativo e complementar’.

Essas técnicas proporcionam momentos de bem-estar para quem está passando por um tratamento específico contribuindo com melhora na qualidade do sono, alívio de dores e outros sintomas além de muitos outros benefícios.

Estudos também mostram o menor uso de medicamentos por praticantes dessas técnicas.

As PICs promovem saúde no seu aspecto mais amplo, um bem estar físico, mental, social e espiritual atuando também na prevenção de doenças.

 

 

 

CONHEÇAS AS PRÁTICAS OFERECIDAS PELO SUS

Acupuntura – A acupuntura é uma prática que compõe a Medicina Tradicional Chinesa. Criada há mais de dois milênios, é um dos tratamentos mais antigos do mundo. Diferentes abordagens para o diagnóstico, prevenção e tratamento de doenças são realizadas, entretanto o procedimento mais adotado no mundo atualmente é o estímulo da pele por agulhas metálicas muito finas e sólidas, manipuladas manualmente ou por meio de estímulos elétricos.

Apiterapia – método que utiliza produtos produzidos pelas abelhas nas colmeias como a apitoxina, geléia real, pólen, própolis, mel e outros.

Aromaterapia – Uso de concentrados voláteis extraídos de vegetais, os óleos essenciais promovem bem estar e saúde.

Arteterapia – Uma atividade milenar, a arteterapia é um procedimento terapêutico que funciona como um recurso que busca interligar os universos interno e externo de um indivíduo, por meio da sua simbologia. É uma arte livre, conectada a um processo terapêutico, transformando-se numa técnica especial, não meramente artística. É uma forma de usar a arte como uma forma de comunicação entre o profissional e um paciente, assim como um processo terapêutico individual ou de grupo  buscando uma produção artística a favor da saúde.

Auriculoterapia – A auriculoterapia é uma terapia que consiste na estimulação com agulhas, sementes de mostarda, objetos metálicos ou magnéticos em pontos específicos da orelha para aliviar dores ou tratar diversos problemas físicos ou psicológicos, como ansiedade, enxaqueca, obesidade ou contraturas. A auriculoterapia chinesa faz parte de um conjunto de técnicas terapêuticas, que tem como base os preceitos da Medicina Tradicional Chinesa (MTC). Acredita-se que tenha sido desenvolvida juntamente com a acupuntura sistêmica (corpo), que é, atualmente, uma das terapias orientais mais populares em diversos países e tem sido amplamente utilizada na assistência à saúde.

Bioenergética – visão diagnóstica aliada à compreensão do sofrimento/adoecimento, adota a psicoterapia corporal e exercícios terapêuticos. Ajuda a liberar as tensões do corpo e facilita a expressão de sentimentos.

Constelação familiar – técnica de representação espacial das relações familiares que permite identificar bloqueios emocionais de gerações ou membros da família.

Cromoterapia – utiliza as cores nos tratamentos das doenças com o objetivo de harmonizar o corpo.

Dança Circular/Biodança – Biodança é um sistema de integração e desenvolvimento humano, um sistema baseado em experiências do crescimento pessoal induzido pela música, movimento e emoção. Esta terapia utiliza exercícios e músicas organizados, a fim de aumentar a resistência ao estresse, promover a renovação orgânica e melhorar a comunicação. Sua metodologia é induzir experiências de integração por meio da música, do canto, do movimento criando situações que facilitam a reunião em nível de relacionamento interpessoal. Dança Circular é uma prática de dança em roda, tradicional e contemporânea, originária de diferentes culturas que favorece a aprendizagem e a interconexão harmoniosa entre os participantes. As pessoas dançam juntas, em círculos e aos poucos começam a internalizar os movimentos, liberar a mente, o coração, o corpo e o espírito. Por meio do ritmo, da melodia e dos movimentos delicados e profundos os integrantes da roda são estimulados a respeitar, aceitar e honrar as diversidades.

Fitoterapia – A fitoterapia é um tratamento terapêutico caracterizado pelo uso de plantas medicinais em suas diferentes formas farmacêuticas, sem a utilização de substâncias ativas isoladas, ainda que de origem vegetal. A fitoterapia constitui uma forma de terapia que vem crescendo notadamente neste começo do século XXI.

Geoterapia – Uso da argila com água que pode ser aplicada no corpo. Usado em ferimentos, cicatrização, lesões, doenças osteomusuculares.

Hipnoterapia – Conjunto de técnicas que pelo relaxamento, concentração induz a pessoa a alcançar um estado de consciência aumentado que permite alterar comportamentos indesejados.

Homeopatia – Homeopatia é um sistema terapêutico que envolve o tratamento do indivíduo com substâncias altamente diluídas, principalmente na forma de comprimidos, com o objectivo de desencadear o sistema natural do corpo de cura. Com base em seus sintomas específicos, um homeopata irá coincidir com o medicamento mais adequado para cada paciente.

Imposição de mãos – Imposição das mãos próximo ao corpo da pessoa para transferência de energia para o paciente. Promove bem estar, diminui estresse e ansiedade.

Massoterapia – A massoterapia é um termo que engloba diversas técnicas terapêuticas, cujo objetivo é melhorar a saúde e prevenir alguns desequilíbrios corporais. Por meio do ato de tocar regiões do corpo de uma pessoa, realizando movimentos fortes ou sutis, é possível trabalhar os aspectos físicos e mentais de cada um. A prática, baseada em técnicas de massagens relaxantes, estéticas ou terapêuticas inspiradas no oriente e no ocidente, é reconhecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS).

Medicina antroposófica – A Medicina antroposófica é um sistema terapêutico baseado na antroposofia que integra as teorias e práticas da medicina moderna com conceitos específicos antroposóficos. Utiliza, terapias físicas, arteterapia e aconselhamento, além de medicamentos antroposóficos e homeopáticos. A abordagem terapêutica tem o seu fundamento em um entendimento espiritual-científico do ser humano que considera bem-estar e doença como eventos ligados ao corpo humano, mente e espírito do indivíduo, realizando a abordagem holística (“salutogenesis”) que enfoca os fatores que sustentam a saúde humana através do reforço da fisiologia do paciente e da individualidade, ao invés de apenas tratar os fatores que causam a doença. A autodeterminação, autonomia e dignidade dos doentes é um tema central; terapias são acreditadas para aumentar as capacidades de um paciente para curar.

Meditação – A meditação é uma prática milenar descrita por diferentes culturas tradicionais. Tem como finalidade facilitar o processo de autoconhecimento, autocuidado e autotransformação e aprimorar as interrelações – pessoal, social, ambiental – incorporando à sua eficiência a promoção da saúde. Amplia a capacidade de observação, atenção, concentração e a regulação do corpo-mente-emoções.

Musicoterapia – Prática integrativa que utiliza a música e/ou seus elementos – som, ritmo, melodia e harmonia – num processo facilitador e promotor da comunicação, da relação, da aprendizagem, da mobilização, da expressão, da organização, entre outros objetivos terapêuticos relevantes, no sentido de atender necessidades físicas, emocionais, mentais, espirituais, sociais e cognitivas do indivíduo ou do grupo.

Oficina de Massagem/Automassagem – Diversas culturas utilizam as massagens no cuidado em saúde, a automassagem tem a finalidade de manter ou restabelecer a saúde, por meio da promoção do equilíbrio da circulação de sangue e de energia por todas as partes do corpo. É realizada pelo próprio sujeito, por meio de massagens de áreas e/ou pontos de acupuntura no seu corpo.

Ozonioterapia – Mistura dos gases oxigênio e ozônio por diversas vias de administração com finalidade terapêutica e promove melhoria de diversas doenças. Usado na odontologia, neurologia e oncologia.

Reiki – O Reiki é a canalização da frequência energética por meio do toque ou aproximação das mãos e pelo olhar de um terapeuta habilitado no método, sobre o corpo do sujeito receptor. A terapêutica objetiva fortalecer os locais onde se encontram bloqueios – “nós energéticos” – eliminando as toxinas, equilibrando o pleno funcionamento celular, de forma a restabelecer o fluxo de energia vital – Ki. A prática do Reiki responde perfeitamente aos novos paradigmas de atenção em saúde, que incluem dimensões da consciência, do corpo e das emoções.

Terapia Comunitária – A Terapia Comunitária atua em espaço aberto à comunidade para construção de laços sociais, apoio emocional, troca de experiências e prevenção ao adoecimento. Ao produzir a diminuição do isolamento social e ao produzir uma matriz móvel permite um espaço de troca e apoio social o qual funciona como alicerce para a produção de redes sociais e a transformação microrregional. A técnica se divide em cinco passos semi-estruturados – acolhimento, escolha do tema, contextualização, problematização, rituais de agregação e conotação positiva – fáceis de aprender e de se difundir como instrumento de promoção da saúde e autonomia do cidadão.

Terapia de Florais – Uso de essências florais que modifica certos estados vibratórios. Auxilia no equilíbrio e harmonização do indivíduo

Termalismo/crenoterapia – O termalismo é um método natural de tratamento que recorre às águas minerais e/ou termais para fazer as curas. A variedade de componentes químicos e propriedades físicas da água e o seu equilíbrio permite obter propriedades que ajudam a recuperação da saúde. O termalismo engloba também todo um conjunto de tratamentos à base de produtos naturais retirados da nascente, como vapores, gases e lamas.O recurso à água como agente terapêutico foi iniciado pelos povos que habitavam nas cavernas, depois de observarem o que faziam os animais feridos.

Tratamento naturopático – A Naturopatia é um sistema terapêutico que utiliza métodos e recursos naturais, para apoio e estímulo à capacidade intrínseca do corpo de recuperação da saúde.

Tratamento osteopático – A osteopatia é método diagnóstico e uma forma de tratamento manual das disfunções articulares e teciduais, muito utilizado em condições dolorosas da coluna cervical e dos membros superiores. Através de técnicas de manipulação, stretching, mobilização, tratamentos para a ATM, e mobilidade para vísceras, aos poucos vai melhorando a mecânica dessas articulações, órgãos e tecidos, fazendo com que os sintomas venham regredindo a medida do tempo.

Tratamento quiroprático – A Quiropraxia é uma prática que se dedica ao diagnóstico, tratamento e prevenção das disfunções mecânicas no sistema neuromusculoesquelético e os efeitos dessas disfunções na função normal do sistema nervoso e na saúde geral. O tratamento de quiropraxia é dividido basicamente em três etapas. A primeira visa eliminar ou reduzir os sintomas da subluxação (desalinhamento da coluna), a segunda a estabilização e por último a manutenção que progredir com o bem estar.

Yoga – Trabalha o praticante em seus aspectos físico, mental, emocional, energético e espiritual visando à unificação do ser humano em Si e por si mesmo. Constitui-se de vários níveis, sendo o Hatha Yoga um ramo do Yoga que fortalece o corpo e a mente através de posturas psicofísicas (ásanas), técnicas de respiração (pranayamas), concentração e de relaxamento. Entre os principais benefícios podemos citar a redução do estresse, a regulação do sistema nervoso e respiratório, o equilíbrio do sono, o aumento da vitalidade psicofísica, o equilíbrio da produção hormonal, o fortalecimento do sistema imunológico, o aumento da capacidade de concentração e de criatividade e a promoção da reeducação mental com consequente melhoria dos quadros de humor, o que reverbera na qualidade de vida dos praticantes.

 

 

 

Texto escrito por Giselle Mello, fisioterapeuta pós graduada em Yoga e Bases da Medicina Integrativa. Coordenadora do Círculo Saudável. 

 

 

 

 

 

 

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

X